Petição para Governo Federal
Contra o corte das bolsas de pesquisa

Contra o corte das bolsas de pesquisa
4,869 assinaturas necessárias para chegar em 5,000
Brasília, DF, BR
3,718 visualizações

Governo Bolsonaro anuncia novo corte e cancela 5,8 mil bolsas de pesquisa

MEC não irá financiar nenhum novo pesquisador neste ano. Cortes no orçamento da Capes já levaram ao bloqueio de quase 12 mil bolsas só em 2019.

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta segunda-feira (2) o corte de mais 5.613 bolsas de estudos para pesquisas de pós-graduação – referentes a trabalhos de mestrado, doutorado e pós-doutorado. É o terceiro anúncio de retirada de bolsas em 2019. Nos oito meses de gestão deste governo já foram extintas 11.811 bolsas de estudos financiadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). ​

Ligada ao Ministério da Educação (MEC) e fundada em 1951, a Capes tem se destacado na formulação de políticas para a pós-graduação e pelo fomento a especialistas e pesquisadores dos diversos ramos do conhecimento. Nesse período de quase 70 anos a Capes cresceu, se diversificou e se tornou referência obrigatória para área, até passar a ser atacada pela política de Bolsonaro.

O governo afirma que não haverá interrupção de pagamento para bolsistas com pesquisas em andamento e que a medida atinge apenas bolsas de pesquisadores que já finalizaram seus estudos, e que não serão repassadas para outros alunos.

Especialistas argumentam, no entanto, que a decisão prejudica estudos que dependem de continuidade, nos quais um pesquisador conclui seu período de bolsa e repassa o trabalho para outro.

Neste ano, a Capes teve R$ 819 milhões contingenciados, equivalentes a 19% do valor que fora autorizado em seu orçamento. Para 2020 —o primeiro orçamento desenhado pela atual gestão— os fundos do órgão cairão à metade, passando de R$ 4,25 bilhões previstos em 2019 para R$ 2,20 bilhões em 2020.

Ao jornal Folha de S.Paulo, a presidenta da Associação Nacional de Pós-graduandos, Flávia Calé, afirmou que o cenário é de colapso na pós-graduação. “O que eles estão propondo é a morte da pesquisa no Brasil por inanição. Cortar metade do orçamento é inviabilizar o trabalho da pós-graduação”, diz. “E isso vem em um contexto de sucateamento de universidades, dos nossos instrumentos de soberania, de desenvolvimento de tecnologia e pensamento próprios. Não tem como o Brasil sair da crise se não tem tecnologia.”

O CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), órgão de fomento à pesquisa ligado ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, já anunciou que não tem dinheiro para pagar 84 mil bolsistas a partir deste mês. O déficit é de R$ 330 milhões no ano.

Fonte: Rede Brasil Atual

10 de setembro de 2019

Atualizações

More updates...
Marlene Moraes criou essa petição
2 anos atrás
131 assinaturas
4,869 assinaturas necessárias para chegar em 5,000
Ao assinar, você aceita os Termos de Serviço e a Política de Privacidade do PeticaoPublica.me concorda em receber e-mails ocasionais sobre campanhas no PeticaoPublica.me. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.
Petições similares
1,631
Carta aberta à decisão de encerramento das escolas do Sector Autónomo de Bissau
Petição para Colectivo Educação Bissau

**Carta aberta à decisão de encerramento das escolas do Sector Autónomo de ...

Colectivo Educaçao Bissau 113 assinaturas 67
7,214
Assine esta Petição Pública se você concorda com a permanência da Escola Estadual Emílio Nemer na rede de ensino castelense.
Petição para Renato Casagrande

O Conselho de Escola da EEEM Emílio Nemer, vem informar que, ...

Karolayne Cesquim Piassi 1,311 assinaturas 927
8,018
Pelo adiamento do retorno do calendário acadêmico do IFB
Petição para Conselho Superior do Instituto Federal de Brasilia

Viemos por meio deste abaixo-assinado, manifestar nossa opinião em relação à Resolução ...

Sinasefe Brasilia e DF 1,137 assinaturas 695
Deseja receber novidades sobre nossas petições? Agora não Sim